25/06/2019, 08:10

Denise Cursino

Notas do Turismo Paulista por Jarbas Favoretto

ARTE NA CERÂMICA

As duas próximas aberturas dos fornos “Noborigama”, na cidade de Cunha, estão marcadas para 1º de dezembro e 9 de fevereiro. As câmaras são abertas às 10, 12, 14 e 16 horas. É quando acontece a retirada das cerâmicas vitrificadas, depois de esfriamento lento de acordo com a técnica da cerâmica japonesa.

É uma experiência inesquecível sempre coroada de surpresas, júbilo e encantamento compartilhado. A participação é aberta ao público, o qual participa de todos os lances das aberturas, e a entrada é franca.

No atelier de ‘Suenaga & Jardineiro’ as cerâmicas artísticas estão sempre expostas ao pé do forno, diariamente das 9 às 18 horas, além da cidade de Cunha ser um excelente destino turístico. Visite-a.

 AOS HOTELEIROS

O ser humano tem por norma reclamar de qualquer coisa que lhe incomode. Isso é normalíssimo. Mas ele nem sempre evita causar aos outros alguns transtornos que poderiam ser evitados. Não chega a ser normal, porém acontece com alguma constância.

Esse fato está acontecendo no turismo. Principalmente com os hotéis e com os restaurantes freqüentados por turistas. Referimo-nos ao problema da falta de uma adequada acessibilidade. De hotéis que não têm unidade habitacional adequada para pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida. Restaurantes que sequer fazem uma rampa onde ela é necessária… E assim por diante.

Então, perguntamos: – Quem é que vai pôr ordem na casa?

 LEIS EXISTENTES

Não vamos aqui nos deter sobre o que é ou não é obrigado por Lei, apesar de termos à nossa frente duas Leis a esse respeito: A Federal 10.098 de 19/2/2000 e a Estadual 12.907 de 15/4/2008.

A Lei Federal foi bem “projetada”, porém mal “alinhavada”. Como resultado, um Deputado nos surge querendo emendá-la possivelmente até com boa intenção, mas tão mal assessorado que nos aponta quantidade absurda, com porcentagem na base do “chutômetro”, sem nenhuma pesquisa e atestando o seu analfabetismo no assunto.

Ainda bem que outros Deputados foram contra e a coisa dificilmente irá emplacar. Contudo, enquanto isso, nós ficamos em “zona nebulosa’.

 A ESTADUAL

Feita posteriormente, a Lei Estadual, mais inteligente, teve o intuito de consolidar diversas Leis a respeito. Dessa forma foram revogadas nada menos do que quarenta e seis antigas Leis (!) e ficando uma só, resumida.

Essa Lei, a que estão subordinados os nossos Hotéis, determina que eles tenham pelo menos um banheiro (e um apartamento, por conseguinte) no caso de construção, ampliação ou reforma.

Mas e aí, então, se o hotel já foi construído, e se ele não vai sofrer ampliação ou reforma? Ficará desobrigado de oferecer aquela comodidade ao portador de deficiência ou com mobilidade reduzida?

Mas, e daí? Como é que fará a pessoa que está nas citadas condições? O que é que o dono do estabelecimento pensaria se ele estivesse naquelas condições?

 COLABORAÇÃO SEM COAÇÃO

Por isso, permitimo-nos recomendar aos nossos muitos amigos hoteleiros que ainda não o fizeram, que estudem meios de atender ao quanto necessário sem se importar se existe ou não uma Lei.

Muitos hotéis e pousadas oferecem uma ou mais unidades já adaptadas. Ficaram bonitas e se constituíram em mais um item para compor a lista de tudo o que oferecem aos seus hóspedes.

Agora, as nossas autoridades federais, inclusive a já criada Secretaria de Estado de Direitos Humanos do Ministério da Justiça, e outras que tais, estão na obrigação de conceder linha especial de crédito para os empresários que precisam de verba para tal adaptação. E, anotem: É para ser pago na base do “Long Play” e só com a correção monetária, sem os juros.

Afinal, não são eles que pedem a defesa dos “direitos humanos”?

Enquanto isso, seja da parte do governo ou da iniciativa privada, nos cabe chamar a atenção para o assunto.

Isso já será um caso de colaboração. Sem coação.

BROTAS JÁ !

A boa reunião da União dos Vereadores do Estado de São Paulo, realizada nas modernas dependências do Parque Tecnológico da cidade de São José dos Campos, foi palco de manifestação aprovada por aplausos contínuos exigindo (não pedindo) para que seja aprovada uma Lei concedendo o título de Estância Turística para a cidade de Brotas.

Em vista de tantas outras terem recebido o titulo de ‘Estâncias Políticas’, até mesmo com essa ou outra qualquer desculpa nos serve para corrigirmos a injustiça de tal esquecimento para com Brotas.

Se Brotas já é reconhecida até por outros países, se todo e qualquer Deputado com quem se conversa concorda com isso, se o fato trás à tona aquelas cidade cujo título detêm sem o merecer, então por que raios o presidente da Assembléia não coloca logo na pauta do dia a votação do projeto que lá está há anos em gaveta de algum relapso?

Só nos resta fazer coro: “- Brotas já !”

Texto de Jarbas Favoretto, MTb 32.511,

 

Comentários