22/10/2018, 01:39

Denise Cursino

Médicos e enfermeiros se preparam para o combate ao Aedes aegypti

Palestra_arbovirose (Unimed Catanduva)

Fonte e foto: Comunicações – Unimed Catanduva

Combate ao mosquito é imprescindível para acabar com doenças como dengue, zika e chinkungunya

Conscientes ao dia “D” – Dia Nacional de Combate ao Aedes aegypti, que ocorrerá nesta sexta-feira, dia 15, em todo o País, profissionais de saúde do Unimed Hospital São Domingos (HUSDom), médicos cooperados da Unimed Catanduva e enfermeiros participaram da palestra “Manejo Clínico de Arboviroses”, no dia 7, ministrada pelo infectologista e cooperado da Unimed, Dr. Ricardo Santaella Rosa.

Dr. Ricardo abordou as principais doenças que o mosquito Aedes agypti transmite como a dengue, zika vírus e a febre chikungunya. “A ideia é orientar médicos e enfermeiros que atendem na emergência para um diagnóstico mais preciso com a identificação ágil dos casos de aborviroses, direcionando o paciente para o tratamento conforme seu estado de saúde (leve, moderado e crítico) ”, explicou.

O município de Catanduva enfrentou em 2015 uma grave epidemia de dengue, com mais de 10 mil registros positivos. Neste ano, os casos estão controlados, entretanto, de acordo com último Levantamento Rápido de Índices de Infestação pelo Aedes aegypti (LIRAa), Catanduva apresentou o índice 1,9, que significa estado de alerta. “Temos o mosquito em grande quantidade, mas não é o vírus. Se começar a aparecer o vírus, mediante o índice larvário existente, há risco de ocorrer uma nova epidemia na cidade”, alertou Dr. Ricardo.

O infectologista destacou ainda que a grande preocupação da Secretaria de Saúde é o possível aumento de casos de febre chikungunya, que deve estar presente em grande massa no interior do estado, em 2018.

Vacina

Outro ponto discutido na palestra foi a vacina contra a dengue. De acordo com o infectologista, há suspeita de que a Dengvaxia, quando ministrada em pessoas que nunca tiveram dengue, pode gerar complicação, entretanto, para quem já foi acometido pelo vírus, não há contraindicação. A orientação ao profissional de saúde é sempre fazer o exame de sorologia, para saber se o paciente pode ou não fazer uso da vacina.

Serviço

Em Catanduva, denúncias de focos do mosquito Aedes aegypti podem ser feitos pelo Disk Dengue (17) 3521-4087 ou pelo aplicativo da Ouvidoria de Catanduva, disponível na Play Store ou App Store, com acesso também a partir do site www.catanduva.sp.gov.br e do telefone 0800-772-9152.

Palestra_arbovirose (Unimed Catanduva)

Comentários